sábado, 16 de maio de 2015

Maria Felina

Título: Self Portrait
Fotógrafo: Gosia Janik
Colecção: Flickr

Menina ladina, mulher sagaz e desconfiada, não se desvia de si nem por ninguém nem por nada. Herdara da sua mãe a garra, a determinação e a fibra, mas também o sorriso que ela não tinha…Quanto à insanidade e à loucura, essa (ir)responsabilidade é exclusivamente sua.

18 comentários:

  1. A serenidade de ser inquieto, a inquietação de ver além.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma inquietude por vezes angustiante...Imagina um mudo a tentar expressar o que sente a quem não o entende...

      Eliminar
  2. O foco e a determinação são fundamentais, tal como um certa loucura :)
    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um certa dose de loucura é elemento essencial para assegurar o equilibro racional da mente:)
      Beijinho MS, e boa semana.

      Eliminar
  3. Garra de mulher
    com destreza felina...

    Quest...

    ResponderEliminar
  4. Sandra....
    A isso eu chamo integridade e autenticidade!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, olá moço simpático:)
      O teu gesto de palavras é sempre muito generoso:)
      Obrigado :)
      Fica um beijo daqui até aí além mar.

      Eliminar
  5. Tentar manter a nossa sanidade mental.
    Por vezes parece que não nos fazemos entender ou não nos querem entender!
    És determinada que eu sei.
    Beijo Sandra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que não nos querem entender...
      Obrigada SD:)
      Beijinho

      Eliminar
  6. Se não fosse a loucura, viver neste mundo seria uma tarefa difícil. :)
    Mulher felina, desconfiada e independente. Características (iim)perfeitas mas necessárias :)
    Beijos grandes Sandra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa natureza, é como se fosse um uniforme, uma bata, uma fato impermeável de protecção, funciona como ferramenta de trabalho de uso diário.
      O outro lado é que lá equilibra os pratos da balança :)
      Beijo grande I.

      Eliminar
  7. Resido nesse lugar inenarrável da loucura para manter-me sã.

    Beijos, Sandra. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse lugar é fundamental, mas há que saber dosear a sua permanecia por lá, sob pena de se perder o sentido real da vida.
      Beijinho Maria :)

      Eliminar
  8. Se a loucura é seguir o nosso traçado e não o que nos impõem, trata-se de um estado saudável.
    Sempre que oiço ou leio a palavra loucura dá-me vontade de rir. É que, exceptuando os casos patológicos, não sei qual a definição. Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isabel, sempre fui uma filha muito arisca, e em relação à minha mãe era espírito de contradição. Desde cedo as nossas formas de pensar e respetivas personalidades entraram em conflito, mas ainda assim tive o bom senso de saber acatar o que achava ou o que me parecia acertado e correcto. Nunca segui os passos que a minha mãe sonhou para mim, contrariamente ao que espelhavam as suas alunas. Gosto do que sou, não aprecio o tipo de figura ou o estereótipo de mulher que a minha mãe queria que eu tivesse sido. Eu sou eu, uma mulher normal que por vezes é uma catástrofe emocional.
      Beijinho Isabel:)

      Eliminar
  9. De felino todos temos um pouco, não lhe damos é o suficiente lastro. Quando isso acontece, há muita poeira que se levanta.
    (É bom arejar os sótãos, oh se é!)

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bom sim, para além de necessário, AC.
      Beijinho :)

      Eliminar