quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Os dois lados da janela...

Mercuro B. Cotto

Depois da queda,
quando o céu se une à terra,
a linha do horizonte perde
a sua silhueta cardíaca;
a luz enverga
a seda das trevas,
e o inverno
sobrepõe-se à primavera.

Só depois da queda,
quando se agudiza a dor da perda,
dá-se conta afinal,
que as estrelas
mostram muito mais brilho
quando miradas
do lado de cá da janela.

Mas só depois da queda,
só depois da queda!

18 comentários:

  1. Sandra, fiquei fascinada com este vídeo.
    As janelas!
    Sempre aquele poder redentor das janelas físicas e metafóricas. Um exercício tão bem feito de palavras e imagens.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Isabel:)
      Tenho uma queda natural por estes elementos compositivos, cuja membrana física é frágil, mas a emocional encerra em si poder, mistério, e a vontade de transpor limites.
      Quanto a este exercício, digo que tenho as dobradiças da minhas portadas interiores muito enferrujadas. O tempo contado não tem ajudado...Mas confesso que gostei muito de conceber este conjunto.
      Fica um grande beijinho.

      Eliminar
  2. Falta acontecer o Outono quase terminal. Só depois a queda, a verdadeira queda....E recordei-me desta, nem sei bem porqu~e: https://youtu.be/8SbUC-UaAxE

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez te tenhas lembrado por conta desta

      http://teia-de-folhas.blogspot.pt/2013/11/sweet-november.html

      Eliminar
  3. Depois do verão e antes do inverno existe o outono. Suave e intenso, carregado de melancolia mas com uma certa tranquilidade.
    Deixa-o entrar. Vai-te aquecer o coração.
    Fica um beijo grande :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Outono efectivamente pede o aconchego do coração :)
      Beijo grande de volta, minha Amiga.

      Eliminar
  4. As tuas palavras são tão intensas que consigo visualizar os momentos. Um dom, chama-se, que tu tens.
    Magnifico o video entrançado nas letras.
    Lindo Sandra.
    Beijinho.:9

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada SD :)
      O conjunto, a meu ver ficou bem articulado, quanto ao resto, estás a ser muito exagerada :)
      Fica um beijinho e um abraço apertado.

      Eliminar
  5. Muito belo. Provoca-me metáforas visuais. Faz-me gerar um enrêdo de imagens. Acontece-me só com a poesia verdadeiramente boa.
    Obrigado Sandra, Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada eu, por tanta generosidade :)
      Fica um beijo, Luís.

      Eliminar
  6. Deitadas podemos observar todo um céu infinito :)

    Um beijinho, Sandra :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podemos sim, mesmo de olhos fechados :)

      Um beijinho, Castiel.

      Eliminar
  7. A queda não veio, ainda. Quem sabe não virá!

    Beijos, Sandra. :)

    ResponderEliminar
  8. Sandra, gosto tanto a plasticidade das suas palavras.
    Por vezes, temos de fazer da queda uma cambalhota, uma pirueta, um passo de dança...

    Um beijinho, querida Sandra, e um domingo feliz :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há que aprender a saber cair, para que não ocorram perdas...
      Assim disse o professor de educação física da minha filha mais velha, que está no 10º Ano, e não é que ele tem razão!

      Um beijinho muito grande e muito obrigado, MS :)

      Eliminar
  9. Vê-las, as estrelas, do lado de lá e de cá. Para lá das causas, uma verdadeira conquista, Sónia. Quanto às consequências, cada um tem que gerir o seu caminho conforme sabe. E a Sandra sabe, eu sei.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Saber gerir, é uma constante aprendizagem...
      As estrelas tem sempre um brilho maior quando estamos em paz com nós mesmos, do lado de cá portanto.
      Mas um dia, eu vou ver o céu estrelado de uma savana africana. Todas as estrelas terão um brilho especial nessa noite...Será um dos meus últimos feitos, até lá continuo a minha caminhada de constante aprendizagem mutua.

      Um beijinho AC :)

      Eliminar