sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Matilha

Francesca Woodman

















Há quem prefira o resultado imediato e os aplausos do palco mediático. Há quem prefira a acção / reacção em constante ebulição. Paixão ou talvez não, há quem queira mesmo só, vontade de emoção. Injecção de adrenalina constante, atenção, devoção, 24 horas sobre rodas.
Note-se que neste enquadramento pictórico, quase ninguém repara nos olhos vidrados nem na fundura das olheiras negras resultantes das mil e uma noites mal dormidas. Matilha maldita que de dia está mal acordada para a vida, quais olhos trôpegos de anestesia, qual postura corcunda sempre firme e hirta.
Por outro lado, há quem prefira o resultado que decorra do acto praticado no tempo. Há quem prefira dar alimento a um sentimento que cresce lento, ganha corpo e se instala dentro intenso.
Há quem prefira querer ter, há quem prefira querer ser…
E, há a matilha que não sabe o que quer.


11 comentários:

  1. A matilha alimenta-se da vida dos outros. Não tem, nem é. Simplesmente fareja, rasteja, de língua sempre pendente, ávida de sangue, esquecendo as suas próprias misérias, nos defeitos que encontra nos outros. São estes os troféus que ostenta perante os aplausos dos outros elementos da matilha, que contam também beneficiar das luzes do palco mediático. No fundo, fogem do vazio que é a sua própria vida.

    Um belo texto, Sandra. Muito lúcido e pertinente.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  2. Animais de palco. Com um elenco de terror.

    ResponderEliminar
  3. Maravilhoso texto!!

    Beijos adocicados- http://anseiosedevaneiossexuais.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Lindo! =)

    Beijinhos doces
    Visite:-http://deliriosamoresexo.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. A matilha que não sabe o que quer é a mais terrível porque se ajusta mais facilmente aos atropelos dos animais danados.
    Muitas vezes, o processo é mais importante do que o resultado. Não vale tudo para atingir os objectivos.
    Texto muito impactante. Gosto.
    Beijo grande.

    ResponderEliminar
  6. A matilha não tem vida própria. Segue o resto dos animais e acata as regras do grupo.
    A matilha é para os cobardes Sandra.
    :)
    Gostei muito
    Um beijo

    ResponderEliminar
  7. A adrenalina momentânea
    ajuda no crescimento do lento
    e destrói o num piscar de olhos...

    Quest...

    ResponderEliminar
  8. Cabe-nos ser indivíduos, únicos. É a única forma de resistirmos ao ataque.

    Beijos, Sandra. :)

    ResponderEliminar
  9. Eu prefiro ser só, com todos os meus defeitos, mas autêntica.

    Um texto muito bom, Sandra :)

    Deixo-te um beijo no coração.

    ResponderEliminar
  10. A matilha apenas se satisfaz com terra queimada, Sandra. Aí uiva à vontade, sem fronteiras.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar