terça-feira, 7 de abril de 2015

Olhar Mendigo


























Título: Trauma – self-portrait
Fotógrafo: Cristina Otero
Colecção: Flickr

Já reparaste Maria, no olhar mendigo estampado neste rosto macerado pelo rigor do frio! Até parece o meu, rapariga...
Pois é Maria, aqui a palhaça, só tem um papel a desempenhar no recheio da arena, o de servir e o de fazer rir o umbigo farto da plateia. Acontece Maria, que mesmo toda a arte de circo carece de colo e de abrigo para manter o brio…

27 comentários:

  1. Pois, mas a plateia na sua grande maioria não entende a lágrima pintada na face do palhaço.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois não, JM.
      Maldita ignorância, ou será mesmo displicência?!

      Eliminar
  2. Às vezes basta um colo e um lugar seguro:)
    Um beijo e um abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas esses gestos simples e lugares de recato, cobram-se muito caro :(

      Obrigada, I.
      Beijo e Abraço de volta.

      Eliminar
  3. Procura o abraço de quem dá
    de quem sabe ler o olhar
    como de um detective se tratasse...

    Procura a compreensão de quem tem
    de quem não olha apenas para o seu umbigo
    de quem prefere o sossego do sofá
    à plateia de gente de mentes vazias...

    Às vezes está mesmo ao nosso lado...
    Às vezes só demos dar a sua oportunidade...

    Quest...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque temos que mendigar, o que se deve receber e dar genuinamente?

      Obrigado Quest :)

      Eliminar
    2. Mendigar é diferente de dar oportunidade...

      Mendigar é procurar afecto
      onde nada de genuinidade existe
      É dizer que te quero a metros....

      Dar oportunidade é falar
      com quem é genuíno
      onde reina a espontaneidade
      e faz quilómetros para ver um sorriso...

      Quest...

      Eliminar
    3. A provocação que levantei é pertinente e é apontada no sentido lato. Os afectos genuínos são dados de forma incondicional, Quest. Acontece que por este mundo fora a gente anda demasiado ocupada com o seu próprio umbigo.
      Agora nunca vi ninguém negar o gesto simples de um afecto genuíno. E o mundo dos afectos é vastíssimo Quest.
      Obrigado pela tua opinião que se sabe ser mais que certa:)

      Eliminar
    4. Confesso a minha paixão por provocações pertinentes...
      O levantamento da essência escondida
      ou do carácter que se pensa ter...

      E assim vou deixando o meu bitaite...

      Beijos Sandra

      Eliminar
    5. Sabes Quest, assim como os demais, tenho os meu defeitos, mas também tenho as minhas convicções, pelas quais luto e as quais transmito ás minhas duas filhas, acontece que o ser humano é imperfeito e nem sempre o nosso lado assertivo impera.
      Agora vou refrasear o que disse em relação aos afectos;
      Os afectos genuinos acontecem naturalmente e de forma incondicional. A espontâneadade do acto é sim um gesto simples e muito bonito.
      Obrigado Quest.
      Retribuo o beijo com estima e amizade:)

      Eliminar
    6. Pelas palavras que neste teu mundo vais deixando
      Vejo um transbordar de genuinidade
      e de amor incondicional pelos que mais amas

      Por vezes as emoções dominam qualquer raciocínio lógico
      Levando a nossa melhor...

      Que essas convicções nunca sejam esquecidas
      que sejam passadas de geração em geração

      Retribuo o beijo
      a estima
      a amizade
      e força!

      Quest...

      Eliminar
  4. Perdi a conta das vezes que pedi a Deus um colinho para chorar, com o passar dos anos deixei de pedir. Sou só eu e a minha solidão.

    Deixo-te um beijo nesse teu coração, Sandra *

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Catarina, deixo-te um abraço apertado com imenso carinho.

      Eliminar
  5. Até parece o meu Maria...
    Partilha magnifica.
    Abraço Sandra.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha Amiga, as nossas mutuas partilhas ajudam-nos a prosseguir em frente.
      Obrigada e abraço, SD :)

      Eliminar
  6. Os palhaços da trupe animavam os tempos mortos da pista, eram eles que faziam com que o circo tivesse um ritmo alucinante: Carregavam os aparelhos dos outros artistas, limpavam o chão, puxavam cordas, estendiam lonas, esticavam redes e no final toda o público achava que eles se divertiam e que eram tão palermas que bem mereciam as humilhações do palhaço rico. Durante alguns anos desenhei e pintei o tema. Ainda hoje não entendo os palhaços ricos que por menosprezarem os outros, julgam não serem palhaços e não entendem a benevolência e a generosidade que eles lhe concedem.
    Ânimo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Luís :)
      Que bom lê-lo aqui :) As suas palavras tem tanta realidade que as visualizo num desenho seu.
      Obrigado pela sua amabilidade.

      Eliminar
  7. Sempre preferi saltimbancos a palhaços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também os saltimbancos são seres solitários.

      Eliminar
  8. Precisamos todos, tanto, de colo!

    Um abraço, Sandra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É vital para a nossa vida:)
      Abraço apertado, Inês.

      Eliminar
  9. Gostei do teu texto, cheio verdade que se sente. Precisamos todos de carinho, de atenção, de colo. Ninguém vive absolutamente sozinho.

    Beijinho enorme *

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada AC :)
      O ser humano precisa de carinho, atenção e colo, como as flores precisão de ar, luz e água para se manterem bonitas.
      Beijinho de volta e obrigada :)

      Eliminar
  10. Ironia do (des)compasso dos tempos...

    Um beijinho, Sandra :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)))
      Retribuo o beijinho com estima e amizade, AC

      Eliminar