terça-feira, 7 de abril de 2015

Olhar Mendigo


























Título: Trauma – self-portrait
Fotógrafo: Cristina Otero
Colecção: Flickr

Já reparaste Maria, no olhar mendigo estampado neste rosto macerado pelo rigor do frio! Até parece o meu, rapariga...
Pois é Maria, aqui a palhaça, só tem um papel a desempenhar no recheio da arena, o de servir e o de fazer rir o umbigo farto da plateia. Acontece Maria, que mesmo toda a arte de circo carece de colo e de abrigo para manter o brio…

27 comentários:

  1. Pois, mas a plateia na sua grande maioria não entende a lágrima pintada na face do palhaço.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois não, JM.
      Maldita ignorância, ou será mesmo displicência?!

      Eliminar
  2. Às vezes basta um colo e um lugar seguro:)
    Um beijo e um abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas esses gestos simples e lugares de recato, cobram-se muito caro :(

      Obrigada, I.
      Beijo e Abraço de volta.

      Eliminar
  3. Procura o abraço de quem dá
    de quem sabe ler o olhar
    como de um detective se tratasse...

    Procura a compreensão de quem tem
    de quem não olha apenas para o seu umbigo
    de quem prefere o sossego do sofá
    à plateia de gente de mentes vazias...

    Às vezes está mesmo ao nosso lado...
    Às vezes só demos dar a sua oportunidade...

    Quest...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque temos que mendigar, o que se deve receber e dar genuinamente?

      Obrigado Quest :)

      Eliminar
    2. Mendigar é diferente de dar oportunidade...

      Mendigar é procurar afecto
      onde nada de genuinidade existe
      É dizer que te quero a metros....

      Dar oportunidade é falar
      com quem é genuíno
      onde reina a espontaneidade
      e faz quilómetros para ver um sorriso...

      Quest...

      Eliminar
    3. A provocação que levantei é pertinente e é apontada no sentido lato. Os afectos genuínos são dados de forma incondicional, Quest. Acontece que por este mundo fora a gente anda demasiado ocupada com o seu próprio umbigo.
      Agora nunca vi ninguém negar o gesto simples de um afecto genuíno. E o mundo dos afectos é vastíssimo Quest.
      Obrigado pela tua opinião que se sabe ser mais que certa:)

      Eliminar
    4. Confesso a minha paixão por provocações pertinentes...
      O levantamento da essência escondida
      ou do carácter que se pensa ter...

      E assim vou deixando o meu bitaite...

      Beijos Sandra

      Eliminar
    5. Sabes Quest, assim como os demais, tenho os meu defeitos, mas também tenho as minhas convicções, pelas quais luto e as quais transmito ás minhas duas filhas, acontece que o ser humano é imperfeito e nem sempre o nosso lado assertivo impera.
      Agora vou refrasear o que disse em relação aos afectos;
      Os afectos genuinos acontecem naturalmente e de forma incondicional. A espontâneadade do acto é sim um gesto simples e muito bonito.
      Obrigado Quest.
      Retribuo o beijo com estima e amizade:)

      Eliminar
    6. Pelas palavras que neste teu mundo vais deixando
      Vejo um transbordar de genuinidade
      e de amor incondicional pelos que mais amas

      Por vezes as emoções dominam qualquer raciocínio lógico
      Levando a nossa melhor...

      Que essas convicções nunca sejam esquecidas
      que sejam passadas de geração em geração

      Retribuo o beijo
      a estima
      a amizade
      e força!

      Quest...

      Eliminar
  4. Perdi a conta das vezes que pedi a Deus um colinho para chorar, com o passar dos anos deixei de pedir. Sou só eu e a minha solidão.

    Deixo-te um beijo nesse teu coração, Sandra *

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Catarina, deixo-te um abraço apertado com imenso carinho.

      Eliminar
  5. Até parece o meu Maria...
    Partilha magnifica.
    Abraço Sandra.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha Amiga, as nossas mutuas partilhas ajudam-nos a prosseguir em frente.
      Obrigada e abraço, SD :)

      Eliminar
  6. Os palhaços da trupe animavam os tempos mortos da pista, eram eles que faziam com que o circo tivesse um ritmo alucinante: Carregavam os aparelhos dos outros artistas, limpavam o chão, puxavam cordas, estendiam lonas, esticavam redes e no final toda o público achava que eles se divertiam e que eram tão palermas que bem mereciam as humilhações do palhaço rico. Durante alguns anos desenhei e pintei o tema. Ainda hoje não entendo os palhaços ricos que por menosprezarem os outros, julgam não serem palhaços e não entendem a benevolência e a generosidade que eles lhe concedem.
    Ânimo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Luís :)
      Que bom lê-lo aqui :) As suas palavras tem tanta realidade que as visualizo num desenho seu.
      Obrigado pela sua amabilidade.

      Eliminar
  7. Sempre preferi saltimbancos a palhaços!

    ResponderEliminar
  8. Precisamos todos, tanto, de colo!

    Um abraço, Sandra.

    ResponderEliminar
  9. Gostei do teu texto, cheio verdade que se sente. Precisamos todos de carinho, de atenção, de colo. Ninguém vive absolutamente sozinho.

    Beijinho enorme *

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada AC :)
      O ser humano precisa de carinho, atenção e colo, como as flores precisão de ar, luz e água para se manterem bonitas.
      Beijinho de volta e obrigada :)

      Eliminar
  10. Ironia do (des)compasso dos tempos...

    Um beijinho, Sandra :)

    ResponderEliminar