domingo, 1 de março de 2015

Palavra


Noell S. Oszvald

Toda ela bate.
Uma entra, outra parte. 
Alguma recheia-lhe a palma da mão, 
a outra mal atirada fere-lhe a alma
e rasga-lhe o pé do chão.


14 comentários:

  1. Amei, amei, amei este blog. Tão diferente do que vejo or ai...

    ResponderEliminar
  2. Fiquei a sorrir com a música :)
    Talvez possa partir mas há sempre um fio que puxa e que não deixa ir embora ")
    Adorei o teu trio .
    Beijos minha desalinhada preferida :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há fios que não têm fio, e esses são mais difíceis de agarrar :)
      Obrigada minha querida :)
      Beijinho grande

      Eliminar
  3. São tão arrebatadoras algumas palavras que nem sei que dizer:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não digas nada, mas não vais embora sem levar um beijo meu, enormeeee :)

      Eliminar
  4. Magnifico Sandra.
    A palavra...
    Sempre belas e sentidas, as tuas.
    Beijo

    ResponderEliminar
  5. E depois de alma quebrada
    ainda leva o humor
    e fecha-nos num casulo...

    Deviam ser punidos, não?

    Quest...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me parece Quest.
      Há palavras com propriedades reflectoras, e mais chão rasgado, não.

      Eliminar
  6. A palavra é acutilante, sempre, ainda que pareça inocente.

    Beijo, Sandra. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A palavra é uma navalha afiada, e mal usada...

      Beijo, Maria :)

      Eliminar
  7. Sensibilidade profunda, Sandra. Gosto disso.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado AC, é com um enorme gosto que vejo aqui :)))

      Eliminar