terça-feira, 15 de julho de 2014

Palavras Gastas

Título: Only dream in black and white
Fotógrafo: Photo by Seattle Dredge
Colecção: Moment

Amava-o com toda a sua natureza, com toda a sua alma, com todo o seu corpo, com todas as suas forças, com as que tinha e mais aquelas que já não tem. Só nele se sentia e se esquecia, ao ponto de quando o agredia era em si que se feria. Amava-o tanto, que sem saber sabia, que o seu fim era nele que vivia.
Já o matara tantas vezes dentro de si, como já morrera o mesmo número de vezes dentro dele, e sempre que se reencontravam no mundo dos vivos, matavam-se novamente, uma e outra vez a cada renascer. E a cada renascer sucediam-se mortes cada vez mais violentas e cada vez mais sangrentas. As armas foram perdendo o fio no desgaste do tempo, e a cada dia mais rombudas, já não matavam, laceravam e mutilavam de forma atroz, a essência individual de cada um “de nós”.
Chegaram ao ponto das palavras gastas e cansadas, o abismo deixou de ser um poço sem fundo para se tornar num penhasco de pedras assassinas ao fim do precipício.
Ultimamente o seu corpo só pede o aconchego de uma almofada e de um colchão. Chegou ao ponto de exaustão. Torna-se imperativo desligar o pensamento e a memória, perdida está a capacidade de comportar mais perdas de vida...

9 comentários:

  1. ...até o desencanto vai desaguar aquela superfície de pouco mais de 2,80 m2.

    Boa noite , Sandra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia, JM.
      Aquela superfície é indispensável, para tudo!

      Eliminar
  2. Eu já tentei matar as lembranças e aprendi que não funciona. Desligar o pensamento e a memória pode ser uma cura a curto prazo. As vezes é preciso olhar para o que nos mata de frente e dizer que já chega.
    Dois textos tristes :(((
    Agora começo a ficar preocupada...
    Um beijo enorme

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A primeira parte já fiz, agora tenho que fazer a minha parte, e dar descanso à mente e ao corpo exausto:)
      Deixo um beijo daqui até aí.

      Eliminar
  3. As palavras falam connosco normalmente, mas por vezes, encontramos algumas que nos gritam. Aqui estão umas.
    Pedem paz, pedem calma, pedem ar para respirar.
    Gostar de alguém é um risco tão grande. Pode ser o melhor que temos na vida, como aquilo que por vezes sentimos que nos mata, porque nem só de felicidade vive esta vida.

    Começo a perceber um pouco quando me disseste no meu blog que não andavas muito bem. Eu também ando um pouco arredada, tenho tido alguns problemas de saúde, daí estar meio desligada. Não há muito para dizer, apenas que espero sinceramente que esta fase não demore muito a passar, e que, ainda que virtualmente, estou aqui. À distância de um mail, de o que quer que seja.

    Tenta dar um pouco de descanso ao teu corpo e ao teu espírito. Se conseguires, sei que não é fácil.

    Um beijo do tamanho do Mundo para ti

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os males da mente da alma, a gente vai levando, mais pontapé menos pontapé. Agora sem saúde não se faz nada. Espero e desejo a tua franca recuperação de saúde, eu por cá fico bem. Um beijo com muita amizade e carinho, Ni :)))

      Eliminar
  4. E como, inconscientemente, a ideia de morte nos deixa sempre a ideia de renascer...

    Beijo d'(Ela)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Absolutamente verdade, Ela:)
      Fica um beijo meu para ti:)

      Eliminar
  5. ..há coisas que por muito que se tente matar, viverão sempre dentro de nós...

    Beijo

    ResponderEliminar